Amamentação, elixir da saúde

lactância Materna

A amamentação é boa para o bebê e também para a mãe. Os estudos e investigações das últimas décadas demonstram isso e a lista de benefícios que o leite materno garante continua a crescer.

Esses tipos de lactação garantem ao seu bebê nutrição específica para humanos e o protegem de várias doenças e enfermidades nos anos de crescimento.

Amamentação, um escudo contra infecções

La lactância Materna protege o bebê contra infecções de duas maneiras: fornecendo anticorpos valiosos e favorecendo a maturação do seu sistema imunológico, O leite materno é rico em anticorpos e substâncias que defendem o bebê de vírus e bactérias, como a lactoferrina que favorece a correta absorção do ferro e a lisozima que protege as mucosas dos germes patogênicos.

Ao mesmo tempo, os glóbulos brancos presentes na amamentação em geral a produção de anticorpos pelo organismo da criança. É como se, por meio do leite, o sistema imunológico da mãe 'ensinasse' como funcionar ao bebê ainda imaturo. A criança amamentada é, portanto, menos expostos ao risco de doenças respiratórias agudas (afetando os brônquios e pulmões) e infecções de ouvido. Além disso, além de adoecer menos, quando contraem uma infecção, os bebês amamentados são menos afetados e se recuperam mais rapidamente. E isso se deve ao fato de que a mama é capaz de produzir anticorpos 'específicos'.

Colostro, um concentrado de anticorpos

Ao nascer, o bebê recebe um suprimento de anticorpos que a mãe passou para ele através da placenta. Para garantir a continuidade dessa proteção e promover o desenvolvimento do sistema imunológico da criança, o colostro. O colostro é o leite dos primeiros dias de vida, que é um verdadeiro concentrado de anticorpos. e deve ser considerado, especialmente para bebês prematuros, como uma "droga que salva vidas". É considerado assim porque protege contra muitas infecções perigosas, como a sepse, uma infecção grave do sangue, ou a enterocolite necrosante, complicações frequentes em bebês nascidos muito prematuros. Não porque seja uma droga em si, é uma forma de falar.

Uma panacéia contra infecções gastrointestinais

Além de fornecer ao bebê os anticorpos que o defendem contra vírus que causam infecções gastrointestinais, o leite materno favorece o crescimento e a maturação da mucosa intestinal e contém substâncias específicas que, ao revestir as paredes do intestino, as tornam menos vulneráveis ​​a bactérias e agentes estranhos. Além disso, em caso de infecção, Se o bebé tiver diarreia e/ou vómitos, o leite materno é o alimento mais adequado para reidratá-lo e alimentá-lo e, se o bebê tiver mais de seis meses, ajuda-o a tolerar melhor os alimentos sólidos.

Amamentar reduz o risco de doenças crônicas

O leite materno também tem função protetora contra doenças congênitas (metabólicas e de má absorção) e autoimunes, como diabetes melito dependente de insulina. Alguns estudos até mostram maior proteção contra a artrite crônica juvenil. De acordo com esses estudos, a amamentação (principalmente se for exclusiva nos primeiros seis meses de vida) retarda a manifestação dessas patologias e/ou atenua os sintomas.

Previne problemas ortodônticos

A amamentação, graças à atividade dos músculos da bochecha envolvidos na sucção, promove o correto desenvolvimento facial e reduz o risco de problemas ortodônticos e de pronúncia durante a infância.

Ajuda a prevenir o sobrepeso e a obesidade

O leite materno protege contra o sobrepeso e a obesidade na infância, um problema muito atual. Quanto mais tempo o bebê for amamentado, menor o risco de ter que lidar com problemas de excesso de peso na infância e na vida adulta. Proteção garantida pela composição perfeitamente equilibrada do leite, mas também pela função educativa das mamadas: o amamentação sob demanda acostuma o bebê à auto-regulação, para comer apenas quando estiver com fome, e ensina a mãe a confiar nos sinais de fome e também de saciedade do bebê, sem correr o risco de 'superalimentação'.

Também protege a mãe!

Numerosos estudos demonstraram que a amamentação garante benefícios significativos imediatos e de longo prazo para a saúde materna. A alimentação imediatamente após o nascimento protege a nova mãe do risco de qualquer hemorragia pós-parto, estimulando a contratilidade uterina e, portanto, ajudar o útero a voltar ao seu tamanho original. Mas os efeitos mais "notáveis" são provavelmente de longo prazo: a amamentação protege contra o risco de osteoporose e câncer de ovário e mama (particularmente desde seu início no período pré-menopausa). Um efeito protetor, o do câncer de mama, que é diretamente proporcional à própria duração da lactação: quanto mais tempo se amamenta, mais se reduz o risco de desenvolver essa patologia.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.